Movidos pelo amor de Cristo – servindo a Igreja que sofre

Compra de viaturas

Antes de escrever, confirme com o seu bispo (ou superior) se ele estaria disposto a avaliar o seu pedido como prioridade da diocese (ou congregação religiosa).

Princípios orientativos

Os donativos para a compra de uma viatura ou de outro meio de transporte não se destinam a ser um donativo para o destinatário individual, mas sim para as paróquias, a diocese ou a congregação religiosa que vai ser servida pela viatura.

Sempre que seja viável, a AIS prefere a compra de produtos locais, na esperança de que será mais fácil encontrar assim peças de substituição e que os custos de reparação sejam menos dispendiosos. (Como excepção, nos países africanos onde é mais barato e mais prático importar do estrangeiro além-mar, cooperamos com agências de aquisições. Mas o candidato tem de (ter capacidade) para cobrir os direitos de importação/aduaneiros e outros custos locais.)

A AIS trata das doações de viaturas como uma forma de apoiar o trabalho pastoral da Igreja. Isto significa que a viatura tem de ser adequada para a função (clima local e condições das estradas!). Ao mesmo tempo, o modelo e a marca pretendidos da viatura deverão coadunar-se com a modéstia que se espera da Igreja e o respeito pela sua credibilidade institucional.

Esperamos um contributo da Igreja local de acordo com as possibilidades da comunidade.

É necessário ter o aval por escrito do ordinário local ou do superior religioso. O pedido tem de ser uma prioridade pastoral da diocese (congregação religiosa).

O candidato tem de justificar a urgência do pedido com uma descrição pormenorizada da situação pastoral no local. Além disso, esperamos informação sobre o número, dimensão e actividades das paróquias que são servidas, as distâncias a ser percorridas entre elas e qual a vantagem pastoral que uma (nova) viatura poderá trazer.

Note, por favor, que consideramos apenas candidaturas completas que consistem no seu pedido escrito do projecto, o Formulário (ou equivalente) de candidatura à viatura e o aval do seu bispo.